Se vive num local onde é relativamente fácil apanhar um comboio, os investigadores em matéria de transportes afirmam que as duas maiores barreiras que o impedem de optar por este meio de transporte são o custo do bilhete e a duração da viagem. Apanhar um comboio pode ser simplesmente demasiado caro e demasiado lento, quando comparado com outros meios de transporte. Em abril deste ano, recolhemos 8000 preços de viagens de ida e a duração de 73 rotas nos Estados-Membros da União Europeia com uma linha ferroviária, incluindo a Suíça e a Noruega, numa tentativa de analisar onde os comboios são mais rápidos e acessíveis e onde não são.

O comboio é mais rápido do que o carro em 35 das 73 rotas sobre as quais recolhemos dados. Geralmente, o comboio supera o carro em viagens de longa distância, com apenas algumas exceções, enquanto o carro é a melhor opção para curtas distâncias.

No que diz respeito à acessibilidade, em alguns países, os bilhetes tendem a ser mais caros do que noutros, quando ajustados à média dos rendimentos líquidos dos cidadãos. Os bilhetes são, embora paradoxalmente, muitas vezes mais caros em países com rendimentos mais baixos do que em países com rendimentos mais elevados. Claro que há exceções. Os bilhetes para as rotas que recolhemos na Alemanha são, por exemplo, comparavelmente caros.

Para viajar entre Madrid e Barcelona terá de gastar cerca de 7 por cento do rendimento líquido médio espanhol. Mas os comboios entre Madrid e Barcelona são muito rápidos e poupará 3 horas ao apanhar o comboio em vez de usar o carro. Não podemos deixar de fazer a comparação com as pessoas na Roménia que viajam de Bucareste para Timisoara. Estas terão de pagar a mesma percentagem do seu rendimento por um bilhete, mas em vez de ganharem tempo, na verdade, perdem 2 horas comparado com a mesma viagem de carro.

Longas distâncias

Médias distâncias

Curtas distâncias