A Parceria oriental é uma vizinhança privilegiada da UE : mercado livre, vistos suprimidos ou mais baratos, bolsas para estudantes, apoio às associações e às fundações. Nestes últimos dias de setembro, exatamente a meio da presidência polaca da UE e uma semana antes das eleições legislativas na Polónia, os dirigentes dos 27 estados membros e de seis dos países vizinhos de leste reúnem-se em Varsóvia para relançar a Parceria.

Até ao momento, os responsáveis em Bruxelas conseguiram envolver cuidadosamente o projeto em fórmulas de cooperação, iniciativas emblemáticas, atividades, pilares, áreas e outras plataformas temáticas, todas sustentadas por diferentes fundos no valor de vários biliões de euros. Todo o processo ainda está à espera de arrancar. E nada indica que a cimeira de Varsóvia lhe venha dar novo ânimo.

Problemas mais urgentes a resolver

De quem é a culpa? Em grande parte, da UE. A Parceria foi lançada há dois anos em Praga, mas os líderes europeus estavam lá, acima de tudo, para a fotografia com o novo presidente dos EUA, Barack Obama, convidado de honra na cimeira. Os vizinhos orientais da UE apenas têm aparecido incidentalmente nas discussões focadas principalmente nas relações da Europa com a América e a Rússia, no colapso dos mercados financeiros, nas guerras no Iraque e no Afeganistão e na mudança climática. Além disso, os líderes dos três países que apoiam a iniciativa concorrencial de uma vizinhança privilegiada com os países do Mediterrâneo, como a França, a Itália e a Espanha, ainda não apareceram em Hrandcany

Também poderá haver ausências na reunião em Varsóvia. Os governos da maioria dos Estados-Membros têm problemas muito mais urgentes para resolver. A zona euro está em crise, a Grécia está à beira da falência, as consequências da primavera árabe continuam incertas.

Os parceiros não estão mais interessantes ultimamente. Na Bielorrússia, depois de uma breve pausa, Lukashenko voltou a utilizar os métodos dos Spetsnaz (termo genérico para as forças especiais russas) para falar com a oposição e cortou relações com a Europa. No Azerbaijão, Ilham Aliev, garantiu a presidência vitalícia, que herdou do seu pai. A Arménia segue a via do Putinismo. Na Geórgia, Saakashvili delapidou as conquistas democráticas da Revolução das Rosas. Na Ucrânia, Yulia Tymoshenko está detido e à mercê de juízes que dependem do presidente pró-russo. A Moldávia consegue ser a melhor aluna no grupo, embora arraste consigo o conflito na Transnístria e todos os males de uma democracia jovem com uma corrupção importante e generalizada.

Falta de juros reais

Nos seus vizinhos de leste, a UE está em concorrência crescente com outros países. E é a única a fazer depender a sua ajuda, ou certos privilégios, da abertura dos mercados ou da adesão aos valores europeus e do respeito pela democracia e pelos direitos humanos. É evidente que a Rússia, a Turquia, o Irão e a China não têm as mesmas exigências. Por outro lado, a falta de interesse que os EUA dão a esta parte do mundo reduz a motivação dos países da região para estabelecerem laços estreitos com o ocidente, ao contrário do caráter prioritário que a Polónia, a Hungria, a República Checa, a Eslováquia ou as repúblicas bálticas, lhes atribuíram no início de sua transformação.

Na Ucrânia, o apoio à adesão à União passou de 65% em 2002 para os 51% atuais. Moscovo esteve, desde sempre, mais próximo de Minsk do que Bruxelas ou Berlim. A novidade é que Pequim está agora mais próxima que nunca. Na Arménia e no Azerbaijão, ninguém -salvo um punhado de intelectuais pró-ocidentais – pensa na adesão à União europeia. No Cáucaso, a maior parte dos carros usados provêm do Dubai e não da Alemanha. E o modelo de prosperidade mais conhecido e desejado é justamente o do Dubai, enquanto a Europa e os seus valores induzem abstração.

Os seis parceiros lançam um olhar cada vez mais crítico sobre a União e o que ela tem para oferecer. A abertura do mercado representa uma ameaça para a agricultura local, desprovida de subsídios generosos. Quanto à democracia, Lukashenko e a oposição caucasiana acusam a União, a uma só voz, de usar dois pesos e duas medidas: o Azerbaijão, rico em petróleo e gás, não é perturbado, enquanto a Bielorrússia, muito mais pobre, é sancionada. No entanto, a oposição em Baku seria mais lamentável do que em Minsk.

Para voltar a dar ânimo ao projeto da Parceria, a UE deveria transmitir às populações de leste um sinal real, como por exemplo, retirar os requisitos de visto para os cidadãos da Ucrânia, Moldávia, e talvez até mesmo da Rússia. Foi possível quebrar a desconfiança russa em relação ao projeto graças à diplomacia polaca, apesar de Moscovo continuar a considerar os países abrangidos pela Parceria oriental como os seus vizinhos estrangeiros, oriundos da sua esfera de influência exclusiva.

Contudo, o sucesso da Parceria não depende de um capricho da Rússia, mas do interesse efetivo que a União deveria trazer-lhe. O que falta, hoje em dia, cruelmente.