<!--

@page { margin: 2cm }

P { margin-bottom: 0.21cm }

-->

À medida que o Tratado de Lisboa se vai aproximando cada vez mais da ratificação formal pelos 27 Estados-membros da UE, a atenção incide sobretudo no eventual êxito de Tony Blair em concretizar a sua dúbia ambição de ser o primeiro presidente da UE. Há uns meses, Tony Blair parecia vencedor, ao ter conseguido assegurar o apoio de Nicolas Sarkozy e Angela Merkel.Ultimamente, porém, a sua candidatura foi contestada. Jean-Luc Dehaene, federalista, eurodeputado belga e antigo primeiro-ministro, questiona as credenciais que Tony Blair reclama ter para liderar a UE, referindo a incapacidade do antigo primeiro-ministro britânico de conseguir que o Reino Unido aderisse à moeda única e ao acordo de Schengen, que efectivamente exigia ao Governo britânico a renúncia ao controlo das fronteiras do seu país. Tony Blair também é uma figura algo detestada por inúmeros políticos europeus de esquerda devido à sua aliança com os EUA e ao envolvimento na guerra do Iraque.

Alemanha e França cobiçam o cargo de Alto Representante

A vantagem está em Tony Blair conseguir este cargo, desde que possa continuar a contar com o apoio dos alemães e dos franceses. Isto é provável que aconteça por dois motivos. Em primeiro lugar, porque Nicolas Sarkozy e Angela Merkel são unânimes em considerar que o novo líder da UE tem de ser uma figura com autoridade e capaz de negociar com os principais líderes mundiais, como Barack Obama ou o presidente chinês, Hu Jintao. Em segundo, mas talvez no lugar mais importante, está o facto de os franceses e os alemães lançarem um olhar de cobiça ao cargo de Alto Representante, que consideram potencialmente mais influente do que a presidência.

E não é só por este último cargo ser mais protocolar do que executivo. Quando o Tratado de Lisboa entrar em vigor – provavelmente no final de Outubro, caso a República Checa conclua o seu meticuloso processo de ratificação –, o mais Alto Representante terá a seu cargo o desenvolvimento e a formalização das relações externas da UE.

Estatuto de embaixada nas missões da UE

A Comissão Europeia trabalha arduamente na preparação do dia em que vai poder proclamar a sua soberania por direito próprio e estabelecer uma rede mundial de missões da UE. Em algumas partes do mundo, como na América Latina, por exemplo, o seu nível de efectivos é superior ao da maior parte das embaixadas europeias. O Alto Representante terá igualmente autoridade para negociar acordos, em nome da União Europeia, facto que lhe confere um poder de decisão superior ao do Presidente da UE sobre o seu futuro.

O Tratado de Lisboa não é o limite das ambições da UE. Neste momento, este tratado estipula que o Gabinete do mais Alto Representante fica obrigado a consultar e a cooperar com os serviços diplomáticos dos Estados-membros, como é o caso do Ministério dos Negócios Estrangeiros britânico. Porém, nada o obriga a agir de acordo com as recomendações. O facto de o Partido Popular Europeu (PPE) federalista, o maior grupo do Parlamento Europeu, exercer activamente a sua influência para que seja atribuído o estatuto de embaixada às missões ultramarinas da UE é uma indicação clara da direcção tomada pelas ambições diplomáticas da União Europeia. O PPE também quer que a UE tenha assento no Conselho de Segurança da ONU, tomando o lugar do Reino Unido ou de França, ou de ambos.

O favorito ao cargo é Wolfgang Schaüble

Partindo do princípio de que a corrida de Tony Blair à presidência é bem sucedida, o primeiro favorito ao cargo de Alto Representante é Wolfgang Schaüble, o ministro do Interior da Alemanha, que conseguiu o seu momento de fama no palco europeu ao propor, em meados dos anos de 1990, uma Europa a duas velocidades, com a França e a Alemanha a monopolizar a via rápida e os Estados-membros fora da zona euro (Reino Unido, por exemplo) parados à beira da estrada.

Há muita negociação a fazer entre os Estados-membros antes de se concretizarem estas posições – o mais provável no final do ano. Independentemente dos resultados, o maior projecto de integração europeia está prestes a dar um grande salto em frente.