Cinema: “Play”, o filme que desafia estereótipos racistas

Uma cena de "Play", de Ruben Östlund.
Uma cena de "Play", de Ruben Östlund.
10 janeiro 2012 – Aftonbladet (Estocolmo)

O último filme de Ruben Östlund suscitou viva polémica na Suécia. Porque os protagonistas – negros pobres e brancos da classe média – jogam com os preconceitos do público para melhor os pôr em causa.

Antes de ir ver o filme Play, tinha lido alguns comentários que me transmitiram a impressão de que Ruben Östlund pretendia lançar um debate sobre o racismo, e não ficar à espera, para ver se este surgia por si mesmo.

Pensei que isso representava um desejo, que me irritava, de criar o acontecimento. Depois de ter visto o filme, a minha opinião é que esse debate não tem razão de ser. Play é obviamente um filme antirracista. Contudo, hoje, compreendo o motivo por que Ruben Östlund preferiu tomar a iniciativa. O debate sobre o racismo era inevitável.

Um ódio decorrente dos preconceitos

Play conta a história de um grupo de adolescentes pertencentes a classes desfavorecidas que se servem dos preconceitos de que são alvo (são negros) para roubar filhos de boas famílias, perdidos na grande cidade. Os ladrões jogam com os preconceitos das suas vítimas e o realizador com os preconceitos do público, ao ponto de ser difícil saber que partido tomar.

No início do filme, eu estava do lado dos jovens dos subúrbios – meio de que eu próprio sou oriundo – mas arrefeci um pouco, quando eles atacaram um dos seus. E, depois, fiquei com pena daqueles frágeis filhos de boas famílias e sustive a respiração por eles, até à cena em que um pai da classe média se permite espancar o agressor do filho, explicando-lhe porque o faz.

A meu ver, esse pai não é diferente daqueles que lançaram abaixo-assinados para exigir a exclusão de Zlatan [Ibrahimović] do Malmö FF, um incidente referido por várias vezes por este futebolista na sua autobiografia [o jogador, filho de pais jugoslavos e nascido na Suécia, é um dos melhores jogadores da equipa nacional]. Foi ao assistir a essa cena que perdi o meu self-control e me deixei dominar por um ódio irracional contra aquela classe, um ódio decorrente dos meus preconceitos. Foi nesse momento que deixei de "jogar".

E é precisamente por isso que Play é um filme exemplar. Apresenta-nos todos os nossos preconceitos e há um momento – que se verifica mais ou menos cedo, consoante os indivíduos – em que o "jogo" chega necessariamente ao fim. Os preconceitos residem no olhar do espetador e Ruben Östlund dá-nos a liberdade de escolher o momento em que carregamos no botão do stop ou do play.

Retrato de uma sociedade de classes cruel

A meu ver, Ruben Östlund é a estrela que há muito faltava no firmamento do cinema sueco: alguém que segue um caminho próprio no plano artístico, ao mesmo tempo que fala da sua época. Alguém que – apesar da acusação esperada de racismo – ousa retratar uma sociedade de classes cruel, na qual suecos roubam suecos.

Em meu entender, o filme fala sobretudo das classes, um tema que, ao contrário do que se passa em relação ao racismo, poucas pessoas querem abordar. Todos os adolescentes do filme falam sueco e nunca se fala de raça ou origem étnica – critérios que tão facilmente permitem catalogar um grupo em função da sua origem mas não da sua classe social: em vez de vermos suecos sem um tostão e sem esperança, vemos negros. O debate sobre as classes sociais torna-se étnico, ao ponto de, cada vez com maior frequência, as desigualdades serem analisadas pelo prisma da origem étnica e não pelo da classe social.

A antestreia do filme na Suécia realizou-se no Backateatern, no bairro de Hisingen, em Gotemburgo, e o público refletia o espantoso melting-pot que é a Suécia de hoje. Tudo menos branca e altiva. O filme ficou em cartaz para as escolas de Gotemburgo, cujos habitantes são originários de 200 países, e esteve na origem de debates sobre a pobreza, o medo, a segregação e o ódio.

Portanto, Ruben Östlund conseguiu precisamente aquilo que alguns dos seus detratores o acusam de não ter feito: assumiu as suas provocações e exibiu o filme perante jovens que nunca tinham ido ver um filme de arte e experimental.

Factual or translation error? Tell us.