Um negociante de diamantes de Antuérpia resume assim a situação: “A importância económica dos negociantes indianos é enorme. Estão a efectuar um avanço irresistível. Nos últimos seis, sete anos, eliminaram completamente os judeus do comércio de diamantes”. Segundo números oficiosos, cerca de 80% do negócio de diamantes está hoje nas mãos de indianos. Freddy Hanard, presidente do Centro Mundial de Diamantes de Antuérpia, porta-voz do sector, considera que são 60 a 70%. O que continua a ser uma parte considerável, tendo em conta que está nas mãos de 300 a 400 famílias indianas, que lideram as maiores empresas do sector. Este registou, no ano passado, um volume de negócios de 22 mil milhões de euros. Não é preciso ser um génio para concluir que o indiano médio nesta actividade, em Antuérpia, é bastante rico.

Um casamento de 16 milhões

A maioria dos negociantes indianos habita no bairro que rodeia o parque Den Brandt, em Wilrijk, localmente conhecido como Little Bombay [Pequena Bombaim] – ou Beverly Hills, porque as casas têm dimensões impressionantes. A maior parte dos indianos não teve de começar do zero, à chegada a Antuérpia. Eram famílias de lapidadores de diamantes na Índia, actividade que já lhes proporcionava bastante riqueza.

A partir do final dos anos 1950, os negociantes de diamantes indianos começaram a dispersar-se pelo mundo. Açambarcar a cadeia diamantina era a filosofia por detrás da conquista de Antuérpia. A teia de relações que liga as diferentes famílias desempenha também um importante papel na crescente participação dos indianos neste mercado.

Os filhos e filhas das famílias indianas de Antuérpia casam entre si há já várias décadas, o que faz com que, pouco a pouco, praticamente todas as famílias estejam associadas, de uma forma ou doutra. Gradualmente, o império aumenta.

Os casamentos são acompanhados do fausto que se impõe, mas ninguém conseguiu ainda ultrapassar o casamento de dois descendentes da família Shah, já lendária na cidade. O patriarca, Vijay Shah, organizou em 2002 uma festa cujo custo foi avaliado em 16 milhões de euros. Transformou o salão de exposições Nekkerhal, em Malines, num templo indiano, onde quatro mil convidados festejaram durante quatro dias. Mas foi uma extravagância rara para a comunidade indiana. Os comerciantes de diamantes de origem indiana são conhecidos, em Antuérpia, precisamente pela sua sobriedade.

Comércio de diamantes e jainismo

Os negociantes indianos de Antuérpia não só têm uma origem comum como partilham a religião. A grande maioria pratica o jainismo. O princípio supremo dos jainas é a não-violência absoluta. São vegetarianos, mas comem apenas legumes ou frutos cujas raízes brotam do solo de forma natural. Não fazem literalmente mal a uma mosca. O que torna inverosímeis as acusações de tráfico de diamantes de guerra.

O facto de tantos jainas trabalharem com diamantes não é fruto do acaso”, explica Chris de Lauwer, do Museu Etnográfico de Antuérpia, que dá aulas sobre o jainismo.

Devido às restrições impostas pela religião, nomeadamente essa não-violência integral, muitas profissões estão-lhes vedadas. Não podem praticar agricultura, não podem ir à tropa, não podem destruir árvores… Por isso, muitos jainas trabalham em bancos ou com diamantes.

Segundo De Lauwer, o facto de terem um sólido património não é incompatível com os princípios do jainismo. “Podem sempre renunciar a esses bens. Conheço muitos negociantes indianos de diamantes que são muito ricos, mas conheço também dois que passaram a empresa aos filhos e são actualmente monges errantes na Índia. O seu único bem é o seu hábito de monge.