Peçam a um europeu que descreva a natureza na Escandinávia ou na Hungria e ele não saberá o que dizer. Os europeus sabem mais sobre a América ou a África do que sobre o seu próprio Continente”, lamenta Florian Möllers, fotógrafo alemão, especializado em fotografia da Natureza e director de comunicação do "Wild Wonders of Europe" (WWOE) (Maravilhas Selvagens da Europa). Ao jornal "De Morgen", explicou que o seu colega sueco Staffan Widstrand teve, em 2005, a ideia de um projecto para remediar esta situação. O projecto junta 69 fotógrafos, enviados a 48 países europeus. O objectivo: dar a conhecer a biodiversidade europeia ao grande público.

No quadro do Ano Internacional da Biodiversdade, o projecto prevê a publicação (em finais de Abril) de um livro que junta os trabalhos de todos eles (Wild Wonders of Europe, edições Lannoo) e uma exposição itinerante que começa em Bruxelas, no mês de Agosto. Muitos dos fotógrafos já colocaram os seus trabalhos "on-line". “Não pusemos os fotógrafos a trabalhar no seu próprio país, pelo contrário, enviámo-los para locais que conheciam mal, para termos um novo olhar sobre a Natureza europeia”, explica Möllers. Segundo o fotógrafo alemão, a flora e a fauna europeias ainda são muito ricas: “Na Europa, a Natureza não desapareceu para dar lugar ao betão e às auto-estradas”, diz ele. “Populações de alguns animais, como os ursos, os lobos e as águias estão novamente a reproduzir-se. Actualmente, os programas de conservação iniciados há 20 ou 30 anos começam a dar frutos. Isto mostra que temos todo o interesse em ocupar-nos da nossa Natureza”.