A palavra-chave “austeridade” começa a entrar no vocabulário estónio. É uma palavra que dizem e ouvem cada vez mais. O dicionário Merriam-Webster declarou-a palavra do ano. Na Estónia, a palavra “austeridade” tem um tom cinzento e um odor de pobreza. No nosso subconsciente, associámo-la ao romance Purge de Sofi Oksanen (finlandesa, filha de mãe estónia). Mas se virmos as coisas de forma positiva, a austeridade poderá tornar-se a Nokia da Estónia. Faz parte da nossa forma cultural e religiosa de ver o mundo, mas também do nosso dia-a-dia.

Na literatura estónia, a personagem Tuuli Botik – “trabalhadora, austera e dócil” – do romance As fontes da vida, do escritor Mihjel Mutt, é conhecida pela sua austeridade. Mas viver com austeridade poderá ser mais irritante do que falar dela.

Como lidam os estónios com a austeridade? As raparigas vão para Londres trabalhar como empregadas de mesa. Ganham muito dinheiro, mas preferem viver como ratinhos ao partilhar um pequeno quarto com três pessoas. Os homens vão para a Finlândia trabalhar na construção civil, levando com eles um saco de mantimentos para uma semana – chouriço, queijo, pacotes de sopa e latas de cerveja – deixando para trás apenas lixo e um mau odor. Uma orquestra sinfónica vai dar um concerto no estrangeiro e os músicos levam sacos com sanduíches! O dinheiro que têm no bolso é gasto em livros. A austeridade é severa.

A austeridade levou o nosso Presidente até aos media globais

A austeridade pode também ser benéfica. Através do Mecanismo de Estabilidade Europeu, a Estónia comprometeu-se a ajudar os Estados-membros europeus com dificuldades (ler: gastadores) pagando 1300 milhões de euros com o dinheiro dos nossos contribuintes. “Este montante tem em consideração a nossa pobreza e será novamente avaliado em 2023”, foi escrito no sítio Internet da ERR [a radiotelevisão estónia]. O que significa que se não poupássemos tanto, ainda teria sido pior.

O Presidente Toomas Endrick Ilves criticou o editorialista americano Paul Krugman, acusando-o de não ter lisonjeado suficientemente a recuperação da economia da Estónia. Para poupar, transmitiu a mensagem através da sua conta no Twitter. Depois disso, Ilves foi entrevistado relativamente à austeridade por Fareed Zakaria, um jornalista de renome da CNN. Desta forma, a austeridade fez com que o nosso presidente fosse tema de conversa no mundo inteiro. A maioria das pessoas que fala de austeridade é quem ganha mais na Europa ou no seu país.

Podemos dizer que a austeridade é um estado de saúde física e mental conhecido pelos estónios. Habituámo-nos a viver com ela desde sempre. Tendo em conta que o projeto lançado em 2005 pelo Partido da reforma para colocar em 15 anos a Estónia ao nível dos países mais ricos na Europa fracassou devido à crise económica, o partido parece ter escolhido outro objetivo – para começar, fazer parte do grupo de países mais austeros da Europa e, por fim, tentar ganhar o título do país mais austero do mundo. Um objetivo muito mais interessante para a elite política do que governar a Estónia.