A Irlanda está a ser, uma vez mais, apontada como o aluno exemplar da escola de economia da austeridade na Europa e o Taoiseach [primeiro-ministro], Enda Kenny, diz que o seu Governo vai sair do programa de resgate fixado pela troika, composta pela União Europeia, pelo Banco Central Europeu e pelo FMI. Kenny afirma que o período de austeridade está a chegar ao fim.

Estas duas afirmações são claramente questionáveis, e também esclarecedoras quanto a alguns aspetos importantes da situação na Europa.

A política do Governo de Dublin continuará, ainda, a ser ditada pela troika durante muitos anos. Na realidade, a UE já estabeleceu um sistema de execução orçamental, regulamentação do processo orçamental e sanções que consagrará a austeridade permanente para todos os membros do euro. Além disso, passou a ser habitual o FMI criar uma nova linha de crédito, depois de o montante inicial do resgate se ter esgotado, e essa nova linha impõe novas obrigações. Por conseguinte, não é verdade que a austeridade tenha chegado ao fim. Em contrapartida, os ativos e empréstimos detidos pelos bancos irlandeses ficaram tão desvalorizados devido aos problemas económicos que o risco de um novo resgate dos seus credores está a aumentar.

Fracasso dos Governos de Dublin

Há ainda um motivo de peso pelo qual o que se passa na Irlanda não pode ser reproduzido em países como a Grécia e Portugal. No início da crise, a economia irlandesa era muito mais próspera. E, depois da recessão prolongada vivida na periferia europeia, essa situação mantém-se. Uma medida do fracasso dos sucessivos Governos de Dublin é o facto de as condições de vida terem caído tanto que baixaram para os níveis britânicos, depois de os terem suplantado antes do virar do século passado.

No Reino Unido, são sempre muitas as vozes que querem atribuir todos os males económicos à UE. Contudo, a ameaça de George Osborne [o ministro das Finanças britânico] de manter a austeridade até pelo menos 2018 e insistir no objetivo do excedente orçamental corresponde à austeridade permanente de Bruxelas, Frankfurt e Washington.

A explosão de autorregozijo dos dois lados do Mar da Irlanda é completamente despropositada

A explosão de autorregozijo dos dois lados do Mar da Irlanda é completamente despropositada. Os Governos de Dublin tendem a não possuir a arrogância multissecular da elite política britânica e, por isso, procuram colher aplausos no estrangeiro.

A coligação no poder – entre o Fine Gael, de direita, e o Partido Trabalhista irlandês – parece receber palmadinhas nas costas, ou talvez na cabeça, pela previsão de que as finanças públicas irão passar para aquilo a que se chama um excedente primário, ou seja, o excedente das finanças públicas, excluindo os encargos com os pagamentos dos juros [da dívida]. Mas isso é igualmente o que proclamam cada vez mais os apoiantes dos governos que põem em prática a austeridade em Portugal e na Grécia e, em grande medida, é desprovido de sentido. A menos que a taxa de crescimento da economia ultrapasse a fatura crescente dos juros, o nível da dívida pública torna-se insustentável.

Austeridade não é a solução

Contudo, por enquanto, o risco imediato de incumprimento foi substancialmente reduzido. Essa redução deve-se em parte ao compromisso do BCE de “fazer o que for preciso” para sustentar o euro. O que quer que alargue para um número ilimitado os resgates dos credores, essencialmente bancos europeus e britânicos, mas nem um euro para os governos.

A festa não deve durar muito, visto que a austeridade está a minar e economia

É com esta operação de suporte de vida para os bancos que agora nos pedem que nos congratulemos. A festa não deve durar muito, visto que a austeridade está a minar e economia. Sem investimento, a capacidade produtiva entra em declínio. Na Irlanda, o novo investimento líquido (depois de deduzidos a depreciação, o desgaste e outros) é próximo de zero. A economia continua em depressão e um dos efeitos desse facto é a acumulação de crédito malparado nos bancos de retalho, incluindo os créditos hipotecários subscritos por pessoas em dificuldades. A austeridade é inimiga do crescimento e não pode solucionar a crise.