“A propósito, já lhe contei a verdadeira origem dos episódios de violência que se deram nos protestos contra Yanukovych? Não? É importante que fique bem esclarecido. Porque tudo, hoje, tem a ver com isso. Queremos derrubar o chefe de Estado, mas somos pacíficos.” Nascido em 1988, em Kiev, onde mora, Taras Malkovich é um jovem poeta ucraniano, atualmente bolseiro da [associação cultural internacional] Villa Decius, em Cracóvia. Em breve, vai para Nova Iorque, com o pai, Ivan, também ele poeta, um dos mais importantes da Ucrânia.

Mas o que preocupa principalmente Tara Malkovich, hoje, é o destino do seu país. Há poucos dias, houve um encontro de escritores, integrado numa manifestação na Praça da Independência, em Kiev. Perante 50 mil espetadores, Taras Malkovich apresentou o seu mais recente poema. É sobre a história de uma família de carrascos, que oficia há várias gerações. Mas eis que o mais novinho se desvia da linha familiar. O filho do carrasco não brinca sequer às lutas com os filhos do vizinho e não suporta ver sangue. O pai tenta, por todos os meios possíveis, puxá-lo para o bom caminho.

Língua supérflua

O que a Rússia representa para nós: a permanência do status quo

“Estava extremamente nervoso, por me encontrar diante de tantas pessoas. Mas quando disse, a concluir, que não devíamos esquecer que não estávamos num convívio social, mas numa ‘revolução’, a multidão exultou. Até pessoas pouco politizadas percebem, finalmente, o que a Rússia representa para nós: a permanência do status quo, simples alternância de períodos de opressão e de submissão da Ucrânia sob diversas formas. Muitos aperceberam-se disso em 21 de novembro, no dia da primeira vaga sangrenta de repressão das manifestações. Mas já era evidente há muito tempo. O campo pró-russo não o esconde, sequer.”

Culturalmente, basta ver a atitude de Dimitri Tabachnik, o ministro da Educação e Ensino. “Durante a sua volta à Ucrânia, neste verão, deu uma entrevista em que explicou textualmente que o ucraniano é ‘uma língua supérflua’. E é isto um ministro da Educação da Ucrânia?”

No entanto, para Taras Malkovich, o verdadeiro perigo vem de outro lado: o empresário Viktor Medvetchuk, que há décadas influencia a política ucraniana, apesar de se manter nos bastidores há alguns anos. Quando Vladimir Putin visitou a Ucrânia, neste verão, esteve apenas um quarto de hora com Yanukovych e muito mais com Medvetchuk, a quem por aqui chamam o Cardeal ou o Padrinho. Aliás, Putin é padrinho da sua filha, são compadres.

“Medvetchuk já era conhecido do mundo literário antes do meu nascimento”, explica Taras Malkovich. Em 1980, jovem advogado, Medvetchuk foi nomeado defensor do poeta ucraniano, politicamente empenhado, Vasil Stus (nascido em 1938), num processo que lhe moveram. Quarenta anos depois de Varlam Chalamov, Stus seria enviado para um gulag siberiano perto de Magadan, onde morreu na sequência de uma greve de fome, em 1985. “Ele fez tudo para Stus ser condenado à morte.”

Viktor Medvetchuk, que não seria melhor do que Yanukovych no poder, tem uma esposa que condiz com o seu caráter. É a apresentadora de televisão Oksana Marchenko, de 30 anos, que anima programas como a versão ucraniana de “Dança com as estrelas”. “Durante a dispersão de manifestações pacíficas, homens da berkut – as forças especiais do regime, conhecidas pela sua brutalidade – saíram de uma carrinha com o logótipo do programa. É difícil acreditar em simples ironia do destino”, conta Taras Malkovich.

Símbolo de união

É durante períodos de instabilidade política, marcados pela manipulação da informação, que o princípio de independência da literatura se manifesta em toda a sua importância

É durante períodos de instabilidade política, marcados pela manipulação da informação, que o princípio de independência da literatura se manifesta em toda a sua importância. O conceito de “literatura comprometida”, que há muito é desdenhado no Ocidente, assume aqui pleno significado. Desde que chegou às ruas tranquilas de Cracóvia, Taras Malkovich, que já traduziu uma antologia de poesia irlandesa, bem como poemas alemães de Heine, Goethe e Brecht, só pensa numa coisa: regressar a Kiev para apoiar os amigos.

“Um deles telefonou-me às quatro da manhã da catedral de São Miguel, onde se refugiou com outros feridos. Mas talvez eu possa atuar daqui e garantir que o resto do mundo não seja inundado com mentiras. Durante a semana de 30 de novembro a 3 de dezembro, o Procurador-Geral da Ucrânia recebeu 53 queixas contra manifestantes pacíficos, alguns dos quais estavam hospitalizados por terem atacado os vândalos recrutados para provocar a berkut e desaparecer. Não muito longe desses arruaceiros pagos, havia muitas vezes uma câmara de televisão russa, para exibir a brutalidade dos manifestantes.”

Para Taras Malkovich, não se pode subestimar a importância fulcral de Vitali Klitschko para a Ucrânia. “Ainda não chegámos ao ponto em que podemos escolher qualquer um para nosso líder. O que mais causa impressão é ver Klitschko pegar num ‘hooligan’ pelo colarinho, durante uma manifestação, e pedir explicações. Um democrata convicto é o melhor símbolo de união de que dispomos.”