Carismático e energético, Matteo Renzi, o mais jovem primeiro-ministro da história da Itália (tem 39 anos), quer mudar o seu país e quer que este volte a participar nas grandes decisões europeias. Depois de vários anos de escândalos, de corrupção e de decadência moral, pretende trazer uma lufada de ar fresco. Foi isto que demonstrou com seu brilhante discurso no início de julho, na sessão plenária do Parlamento Europeu.

A Itália assumirá durante seis meses a presidência rotativa da União Europeia e Renzi quer aproveitar esta oportunidade. As instituições europeias encontram-se em pleno processo de transição e Renzi apresentou-se como um candidato à direção da União. Mas por que terá sido tão importante o seu discurso?

Até à data, distinguiram-se duas correntes principais no seio da UE: a da austeridade, imposta pelo pensamento alemão, e a do euroceticismo. Renzi foi o único político que o afirmou com clareza: “Adotámos um Pacto de estabilidade e de crescimento económico. Temos a estabilidade, mas não temos o crescimento. […] Se a Europa pudesse tirar uma “selfie”, exibiria atualmente uma cara aborrecida”.

Uma fasquia demasiado elevada

No entanto, Renzi colocou a fasquia demasiado elevada: quer tornar-se anti-Merkel. O primeiro-ministro italiano vê a presidência do Conselho da UE como uma oportunidade para mudar o rumo da austeridade. Há muito que os partidos políticos na Itália culpam a consolidação orçamental, imposta por uma União Europeia dirigida pela Alemanha, pela elevada taxa de desemprego e a recessão. Renzi criticou fortemente os “pais e os profetas da austeridade”, pedindo a Jean-Claude Juncker [presidente designado da Comissão Europeia] que conceda mais dinheiro aos investimentos públicos:

A Europa não pode ser um lugar de codicilos, de conspirações, de parâmetros e limitações, uma terra de burocratas. Se morreram dezenas de milhares de jovens, não foi para passarmos o tempo todo a discutir parâmetros!

A Itália está a sofrer as consequências da sua dívida pública, que atingiu os 135% do PIB. O cálculo é simples: Renzi quer poupar tempo e estima que, como a Europa ainda não registou crescimento, um pouco de flexibilidade não fará mal nenhum.

É como assistir a um fogo cruzado… de palavras entre o Norte e o Sul da Europa: os alemães querem a todo o custo que o défice orçamental não seja ultrapassado. Renzi, pelo contrário, prometeu reformas estruturais na Itália, criticando desta forma Jens Weidmann, o chefe do Bundesbank, acusando-o de ingerência política: “O Bundesbank não deve participar nos debates políticos lançados pela Itália. A Europa pertence aos seus cidadãos, não aos banqueiros!”.

Este coro, dirigido pelos italianos, também conta com a presença dos franceses, dos espanhóis, dos portugueses e dos gregos. Todos pensam que a chave para o sucesso se encontra nos investimentos, no aumento da dívida pública e não na austeridade. Renzi sabe que cartas tem na mão: a Itália é a terceira economia da zona euro, sendo por isso muito provável que não a deixem afogar-se. Mas se o seu plano fracassar, o culpado será óbvio: a obstinada Angela Merkel.