Enquanto os povos do mundo árabe se manifestam em favor da autodeterminação e da democracia, a Europa perde-se na ditadura. A sua tradição democrática está desgastada, destruída, e os seus cidadãos são perseguidos e tratados com acrimónia. O poder delegado pelo povo aos seus representantes foi transferido secretamente e escondeu-se num lugar inacessível, que nunca ninguém viu.

Quem é que manda realmente? Quem segura as rédeas? Onde? E com que finalidade? Ninguém sabe. Promulgam-se leis e regulamentos, mas os habitantes no Velho Continente já não lhes entendem os termos. É um pouco como se um povo extraterrestre tivesse desembarcado na Terra sem ninguém saber e, recém-chegado, se tivesse colocado ao serviço da União Europeia, talvez por os seus ocupantes serem especialmente prósperos. Este povo é o dos tecnocratas.

[…] **Este artigo foi retirado a pedido do proprietário dos direitos de autor.**