A política europeia da Alemanha está prestes a sofrer uma transformação, tão significativa quanto a Ostpolitik – a melhoria das relações do país com o bloco Soviético – foi no início dos anos 70. Enquanto essa política foi caracterizada pelo slogan “mudança através da aproximação”, a nova abordagem de Berlim poderá ser chamada de “mais justiça por toda a Europa”.

Em ambos os casos, trata-se de superar uma divisão, entre o Este e o Oeste nos anos 70 e entre o norte e o sul, nos dias de hoje. É a ameaça existencial colocada pela crise do euro e pela crise financeira que está a fazer com que os europeus percebam que não vivem na Alemanha ou na França, mas na Europa. Pela primeira vez, os jovens europeus estão a vivenciar o seu próprio “destino Europeu”. Mais educados do que nunca e com mais expectativas, confrontam-se com um declínio nos mercados de trabalho, provocado pela ameaça das bancarrotas nacionais e pela crise económica. Atualmente, um em cada cinco europeus abaixo dos 25 anos de idade está desempregado.

Nas cidades onde eles montam as suas tendas e fazem ouvir as suas vozes, reivindicam justiça social. Em Espanha e em Portugal, assim como na Tunísia, no Egito e em Israel (ao contrário do Reino Unido), dão voz às suas exigências sem violência mas com poder. A Europa e a sua juventude estão unidas na raiva contra os políticos, que estão dispostos a gastar quantias inconcebíveis para resgatar bancos, ainda que estejam a pôr em risco o futuro da juventude dos seus países. Se a esperança da juventude europeia for sacrificada pela crise do euro, que trará o futuro para uma Europa, cuja população está cada vez mais velha?

Novos riscos de caos

Há uma coisa que a crise financeira atingiu inquestionavelmente: todos (incluindo especialistas e políticos) foram lançados para um mundo que já ninguém compreende. No que diz respeito às reações políticas, há dois cenários extremos que podem ser justapostos. O primeiro é um cenário hegeliano, no qual, dadas as ameaças provocadas pelo risco de capitalismo global, a “astúcia da razão” proporciona uma oportunidade histórica. É isto o imperativo cosmopolita: cooperar ou fracassar, ter sucesso em conjunto ou fracassar individualmente.

Ao mesmo tempo, a incapacidade de controlar os riscos financeiros (juntamente com a mudança climática e os movimentos de migração) apresenta um cenário à Carl Schmitt, um jogo de poder estratégico, que abre as portas à política étnica e nacionalista.

Paradoxalmente, o sucesso da UE é também um dos seus maiores obstáculos. As pessoas vieram a dar como adquiridas muitas das suas conquistas, de tal forma que talvez só se aperceberão delas quando deixarem de existir. As pessoas só precisam de imaginar uma Europa onde os controlos de passaporte são reintroduzidos nas fronteiras, onde não exista em lado nenhum regras de segurança de comida segura, onde a liberdade de expressão e de imprensa deixe de existir nos padrões atuais (que a Hungria já está a violar, com isso expõem-se ao escrutínio estrito), e onde os Europeus que viajam para Budapeste, Copenhaga ou Praga, ou até Paris, Madrid e Roma, sejam obrigados a cambiar dinheiro e a manter um registo das suas taxas de câmbio. A noção de que a Europa é o nosso lar é vista como uma segunda Natureza. Talvez isto explique o porquê de estarmos preparados para comprometer a sua existência de forma tão despreocupada.

Temos de reconhecer e admitir a realidade, a Alemanha tornou-se uma parte da comunidade de destino Europeia.

Ao contrário da comunidade de destino existente entre os dois rivais, Estados Unidos e China, a comunidade de destino da Europa baseia-se na partilha de leis, na partilha da moeda e fronteiras, mas também no princípio do “Nunca mais!”. Em vez de invocar um nobre passado, a Europa tenta assegurar que o passado nunca mais se repetirá. Em vez de se tornar num “super-estado” ou num mecanismo que represente os interesses nacionais de forma esclarecida, no melhor dos casos, a UE escolheu uma terceira opção. O seu papel mais importante é orquestrar. Facilita a rede de compromissos e entidades que incluem estados soberanos, assim como as organizações transnacionais, municipais e governos regionais e as organizações da sociedade civil.

Neste contexto, os fundos de resgate para os países do sul da Europa geraram um conflito lógico entre o dador e as nações devedoras. As nações dadoras devem implementar programas de austeridade domésticos e, por este motivo, estão a exercer pressão política sobre as nações devedoras, a um nível que excede o limite da dor. Em contrapartida, as nações devedoras estão sujeitas a uma ditadura da UE que viola a sua autonomia e dignidade nacional. Ambas provocam o ódio pela Europa, porque todos veem a Europa como uma acumulação de imposições.

No que diz respeito à eterna crise chamada Europa, o conflito que surge sobre o modelo do futuro levanta as seguintes questões: Em que medida, a revolução entre a juventude indignada transcende realmente as fronteiras nacionais e promove solidariedade? Até que ponto, o sentimento de ser deixado para trás, leva a uma experiência de gerações europeias e a novas iniciativas de políticas europeias? Como se estão a comportar os trabalhadores, os sindicatos e o seio da sociedade europeia? Qual dos grandes partidos, na Alemanha, por exemplo, tem coragem para explicar aos cidadãos que a Europa como lar é uma mais-valia para eles?

Merkel adere à ideia Hegeliana porque prefere o desvio da razão. Utilizando uma metáfora de dança: duas passos para trás, um para o lado, depois, uma rápida mudança de opinião, atenuada por um pequeno passo em frente, a dançar um estilo de música que nem os alemães nem os europeus conseguem ouvir ou compreender. Enquanto o chanceler precedente, Helmut Kohl, alertou para uma Europa alemã e procurou uma Alemanha europeia, Merkel defende o euro nacionalismo alemão, depositando a sua fé na habilidade da política regulamentar e económica de Berlim para curar as feridas da Europa.

Mas considerando a crise financeira, a política europeia atual deveria desempenhar o mesmo papel que a OstPolitik desempenhou nos anos 70 numa Alemanha dividida: uma política de união sem fronteiras. Por que foi tão evidente a reunificação, extremamente dispendiosa, com a Alemanha de Leste e por que é que, por outro lado, a integração económica das nações devedoras como a Grécia e Portugal é vista com maus olhos? Não é apenas uma questão de pagar as despesas. Na verdade, o verdadeiro desafio é repensar e remodelar o futuro da Europa e a sua posição no mundo.

A introdução de euro obrigações não seria uma traição dos interesses alemães. Por que não haverá a Europa de introduzir uma taxa de transações financeiras, que estabilizaria o escopo financeiro para uma Europa social e ambiental, que por sua vez prometeria aos trabalhadores segurança por toda a Europa, abordando assim as grandes preocupações dos jovens europeus.

A abordagem de Merkel, de um lado para o outro e para a frente e para trás, também poderia criar uma oportunidade para um futuro projeto, envolvendo os Sociais-Democratas e o Partido Verde. Quando os SPD e os Verdes explicarem que uma Europa social é mais do que um introvertido avarento, sendo nomeadamente – utilizando um argumento de Hegel – uma necessidade histórica, até os SPD irão recuperar estatura e ganhar as eleições. Isto, claro, sob a condição de terem a coragem de declarar a Europa como seu projeto principal, assim como a Ostpolitik o fora há mais de 40 anos.