Quinze anos após o naufrágio do ferry "Estonia" no mar Báltico, a 28 de Setembro de 1994, "continuamos sem saber a verdadeira causa desta catástrofe", lastima o diário estónio Postimees, que questiona a falta de vontade dos governantes, nomeadamente do Governo sueco, em abrir um inquérito para apurar responsabilidades. "Mas isto não é tudo", acrescenta o jornal. "A sombra deste naufrágio paira sobre o sector marítimo da Estónia." Depois da tragédia, "a sociedade voltou-se costas ao mar", [escreve Mairold Vaik](http:// http://www.postimees.ee/?id=168723), marinheiro, numa coluna de opinião. "Durante as festividades, adoramos dizer que somos um povo de marinheiros – é um nome bonito, mas não temos um sector marítimo forte (…). As dotações do Estado para este sector são uma ínfima parte das que se destinam à agricultura." Hoje, sublinha Vaik, "as companhias marítimas preferem navegar com um pavilhão estrangeiro".