A igreja luterana sueca encontra eco na imprensa alemã. O Frankfurter Rundschau traça o retrato de Eva Brunne, a primeira mulher assumidamente lésbica a ser eleita bispo. A sua eleição em Estocolmo, a 26 de Maio, demonstra que a Igreja Luterana "ultrapassou a discriminação baseada no sexo ou preferências sexuais", considera o diário. “O mais notável é que a homossexualidade da Sra. Moreno não desempenhou nenhum papel na campanha eleitoral". Com a bênção da sua Igreja, a mulher, na casa dos 50 anos, tem como companheira uma mulher pastora.