“Agência de ‘rating’ europeia avança este ano”, noticia o Diário de Notícias. O diário lisboeta revela que a Roland Berger Strategy Consultants — a maior empresa europeia de consultoria estratégica – está em negociações com várias instituições financeiras da UE, e também da Suíça, para reunir um capital de cerca de 300 milhões de euros para criar uma agência de notação europeia.

O objetivo é criar uma “organização privada, sem fins lucrativos”, que poderá ser lançada no primeiro trimestre do ano, escreve o diário de Lisboa. Uma agência de notação europeia que “promete maior transparência” para ser capaz de competir com as três principais agências dos Estados Unidos, Standard & Poor's, Moody’s e Fitch.

De acordo com a Roland Berger, o propósito de criar uma agência de notação europeia – coisa que vários líderes europeus, tais como a chanceler alemã Angela Merkel e o presidente da Comissão Europeia Durão Barroso, já tinham defendido – vai

... superar os principais problemas existentes no mercado de agências de 'rating', especialmente a estrutura monopolista, o conflito de interesses existente na atual estrutura do sistema. (...) Irá operar com um modelo de custo eficiente desenvolvido e aprovado pelo setor bancário. O modelo é baseado no Basileia II – análise de infraestrutura e crédito. ao mesmo tempo, todo o processo de rating será transformado para garantir maior transparência. Será criada uma plataforma online, na qual todas as agências podem publicar as suas avaliações. Os investidores devem comprometer-se quer a publicar as suas próprias classificações ou ratings ou então a comprar a uma agência de rating da sua escolha.