Além de terem aprovado um segundo resgate da Grécia de 130 mil milhões de euros, os ministros das Finanças da UE também estabeleceram regras que darão "mais poder à UE para examinar em pormenor os orçamentos dos países da zona euro, antes mesmo de estes serem aprovados pelos parlamentos nacionais", revela o Financial Times -

A Comissão Europeia poderá enviar unilateralmente os seus peritos para países que necessitam de resgate, para lhes prestarem assistência técnica, segundo um modelo idêntico ao da task force que está a prestar assistência ao Governo grego, supervisionando a aplicação das reformas impostas pela UE.

O FT acrescenta que, nos termos das novas regras -

... a Comissão disporá de maior poder discricionário para emitir recomendações sobre as políticas fiscais e de despesa pública, uma coisa que, de um modo geral, evita fazer em relação a países que não violam as regras existentes em matéria de défice.

Este diário salienta que a presença de equipas da UE em países "que enfrentam dificuldades graves" constitui "uma experiência potencialmente humilhante para os governos nacionais".