"A Europa prepara-se para consolidar um primeiro conjunto de regras destinadas a tornar os bancos mais sólidos", relata o jornal Le Figaro. Os ministros das Finanças dos 27 reúnem-se neste 2 de maio para transpor para o direito comunitário as regras internacionais ditas de "Basileia III", elaboradas para solidificar o setor bancário. Este diário acrescenta:

A diretiva limita drasticamente a definição de capitais próprios dos bancos e aumenta pesadamente o nível exigido desses capitais, de forma que cada estabelecimento passa a dispor de um nível de fundos que lhe permite absorver choques violentos. Segundo a Autoridade Bancária Europeia, se tivessem de cumprir já as regras de Basileia III, os cem maiores bancos europeus teriam em falta, nas condições atuais, cerca de 485 mil milhões de euros de capitais.

O projeto prevê que cada banco disponha de 7% de capitais em fundos próprios. O Reino Unido pretende aumentar essa exigência, para solidificar os seus bancos de depósito. Por seu turno, a França quer que os fundos aplicados nas filiais do ramo segurador possam ser excluídos. Na verdade, comenta o Figaro,

é de prever que o debate seja aceso e venha a levar ao adiamento da aprovação do texto para 15 de maio. Contudo, o fracasso parece estar fora de questão, visto que a Europa precisa hoje de provar que está a avançar no sentido do reforço do seu sistema bancário.

Na semana passada, Le Monde revelou que o Comissário Europeu para o Mercado Interno, Michel Barnier, desejava perguntar aos bancos como tinham utilizado o bilião de euros injetado pelo Banco Central Europeu para evitar a contração do volume de crédito.