Mais uma vez, Thilo Sarrazin, autor de um livro tão popular quanto controverso sobre a imigração na Alemanha, choca pela utilização de um tom “nacionalista e inconveniente” no seu novo livro, Europa braucht den Euro nicht (A Europa não precisa do euro, DVA edições, não traduzido em português).

Este livro é “repugnante e apresenta falsos argumentos”, acusa o Frankfurter Rundschau. Sarrazin, que trabalhou para o FMI, no Ministério das Finanças alemão e para o Bundesbank, devia dominar a matéria e, no entanto, nota o diário alemão, “não é isso que acontece”:

Sarrazin constrói uma oposição entre uma Europa do Norte eficaz e um Sul desordenado –— trabalhadores contra gente preguiçosa, brancos contra morenos. Chama “Club Med” aos Estados a que confere um comportamento pouco sério. Onde põe ele a França? No Club Med! […] É óbvio que nos encontramos perante um adversário do euro convencido de que sabe por que motivo a Alemanha teve até hoje um comportamento pró europeu: o entusiasmo persistente dos alemães em relação à Europa não se explicaria sem o peso moral da época nazi. O livro mente. […] Que apodreça nas livrarias!