Cover

A Polícia irlandesa deteve sete suspeitos de tentativa de homicídio do pintor sueco Lars Vilks, autor de um conjunto de caricaturas de Maomé num corpo de cão, refere o Dagens Nyheter. Os suspeitos – quatro homens e três mulheres – são oriundos da Argélia, Croácia, Palestina, Líbia e EUA e não apresentam ligações à Al-Qaeda, nota o Irish Times. Vilks vive sob protecção policial desde 2007, quando os seus desenhos, para exposição, foram publicados no diário local Nerikes Allehanda, provocando protestos no mundo muçulmano. Segundo o Dagens Nyheter, a Al-Qaeda pôs a prémio a cabeça de Lars Vilks por 100 mil dólares (cerca de 74 mil euros). O artista plástico declarou ao DN que não lamenta ter feito as caricaturas: "O facto de não haver nada sagrado é um valor positivo no mundo ocidental. Não podemos abrir uma excepção para uma determinada religião."