O site de Geert Wilders contra os imigrantes “morreu sem grande alarido”, anuncia o NRC Handelslad. Criado na primavera de 2012 pelo Partido da Liberdade (PVV), este site convidava os holandeses a postar queixas de “danos” causados por imigrantes oriundos da Europa central e oriental. Este facto, recorda o diário, provocou a “preocupação do Parlamento Europeu, uma carta de embaixadores encolerizados e o embaraço do Governo”.

A 13 de dezembro, a Segunda Câmara debateu uma proposta de lei apresentada pelo PVV com vista a proibir a entrada de polacos no mercado de trabalho holandês. Ocasião para fazer um balanço do site: foram postadas cerca de 40 mil recriminações relativas a “estados de embriaguez, problemas de estacionamento e açambarcamento de empregos” pelos imigrantes. Outras 135 mil queixas – um número bem superior – diziam respeito ao PVV e ao próprio site.

Para o NRC Handelsblad, a proposta relativa aos polacos

tem poucas hipóteses de ser adotada, mesmo que ninguém negue os problemas decorrentes da chegada dos europeus de Leste, como a ocupação de inúmeros postos de trabalho. Mas, por outro lado, estes trabalhadores fazem o trabalho que os holandeses não querem fazer.

Para o diário, a campanha lançada pelo PVV, sobretudo, “demonstra que a integração dos cerca de 300 mil trabalhadores imigrantes da Europa de Leste foi muito boa”. Wim Willems, historiador, estima que o site contribuiu para a integração deles:

Na realidade, o site marcou uma viragem. Os meios de comunicação social deram mais atenção aos aspetos positivos da imigração no trabalho. E a opinião pública alterou-se depois do lançamento do site. Para muitos holandeses, reforçava muito a discriminação e a exclusão [dos trabalhadores imigrantes].