A vitória de Benjamin Netanyahu nas últimas eleições em Israel poderá ter voltado a meter no congelador o processo de paz. Também não há grandes hipóteses de a nova proposta de criação de um Estado palestiniano desmilitarizado causar um degelo repentino nas relações UE/Israel. Contudo, o Corriere della Sera analisa uma declaração recente do ministro italiano dos Negócios Estrangeiros, Franco Frattini, sobre a necessidade de a Europa contribuir para a segurança no terreno e considera credível a sua sugestão de que seja criada uma força internacional de manutenção da paz para a Palestina.

A tese é de que uma entidade palestiniana sem forças armadas, como pretende Netanyahu, deixaria um vazio de segurança que seria preciso preencher a partir do exterior. Dito isto, escreve o Corriere, «não poderiam ser os Estados Unidos, por causa dos problemas óbvios de terrorismo, nem a Grã-Bretanha, por causa do seu passado colonial na região». A solução mais adequada seria, segundo parece, uma força mista integrada por contingentes italianos, espanhóis e franceses e cujas tarefas poderiam incluir a vigilância do cumprimento de eventuais acordos de paz, o patrulhamento de fronteiras e actividades policiais de rotina. No entender deste jornal, qualquer coisa semelhante à missão UNIFIL, no sul do Líbano, com a Itália a marcar o ritmo.

.