O primeiro-ministro Janez Janša anunciou que não deixa o seu cargo, apesar da demissão, a 24 de janeiro, dos ministros das Finanças Janez Šušteršič e da Justiça Senko Pličanič. Na véspera, o seu partido, o Democracia Cidadã, abandonou a coligação governamental.

O partido dos reformados DeSUS pediu a Janša que se demita, anunciando que também ele abandonará o Governo a 22 de fevereiro. Janša acrescentou que só se demite depois de o parlamento votar contra ele uma moção de censura ou se se formar uma maioria alternativa à sua.