A união bancária, desejada pelos Vinte e Sete para evitar uma nova crise da dívida soberana, poderá sofrer um novo atraso, devido às hesitações da Alemanha. Citando fontes da Comissão Europeia, o jornal Expansión escreve que “a Alemanha voltou a reabrir o acordo alcançado em março entre o Conselho Europeu, o Parlamento Europeu e a Comissão Europeia para aprovação de legislação relativa a um supervisor financeiro único”. O assunto deverá ser abordado na reunião do Eurogrupo e do Ecofin, em Dublin, a 12 e 13 de abril. Segundo este diário económico,

Berlim estaria preocupada porque o texto final não separa claramente as funções de política monetária e de supervisão financeira no interior do Banco Central Europeu.

Agora, será preciso esperar no mínimo até maio para o Parlamento Europeu aprovar a nova regulamentação, o que, prossegue o mesmo diário, atrasa por seu turno a recapitalização direta dos bancos através do Mecanismo Europeu de Estabilização (MEE), uma operação fundamental, em especial para Espanha. O Expansión salienta que

fontes parlamentares mostram-se preocupadas, porque esta questão poderá incitar outros países a decidir renegociar aspetos que eles próprios também consideram controversos.