Será que os impostos sobre a importação de painéis solares chineses que a UE tenciona impor terão o efeito desejado? Segundo o NRC Handelsblad, ”os painéis solares chineses dão imenso dinheiro à Europa”. Na Holanda, o setor da energia solar “cresceu de forma espetacular”, apesar da crise económica. O jornal explica que

os empreendedores e as empresas de instalação eletrotécnica, que sofreram muito com a crise na construção, apostaram em massa na instalação de painéis solares. Com o material chinês, conseguem por enquanto manter a cabeça fora da água. A última coisa de que precisam é um imposto europeu que fará subir o preço dos painéis solares […] A AFASE [a organização que defende os interesses das empresas solares europeias] receia que esta iniciativa leve à perda de cerca de 242 mil postos de trabalho em toda a Europa. No entanto, este valor é fortemente contestado pelos defensores dos impostos, como o fabricante alemão de painéis solares SolarWorld.

O NRC Handelsblad realça que a Comissão Europeia pronunciar-se-á sobre a implementação dos impostos no final do mês de maio. Caso sejam aprovados, entrarão em vigor no início de junho mas só serão definitivos em dezembro. O imposto poderá ter um efeito retroativo até ao dia 6 de maio de 2013.