'Frio como um Inverno ucraniano' pode bem vir a transformar-se numa expressão proverbial. A UE está a tentar, junto do FMI, um empréstimo de 4 mil milhões de dólares para a Ucrânia, poder pagar a compra de gás russo. Trata-se de um empréstimo que pode ser decisivo para a Ucrânia manter o seu percurso pró-ocidental ou cair no colo da Rússia, escreve o diário Polska de Varsóvia. “Conceder este empréstimo é mais importante do que a agenda da iniciativa Parceira Oriental e confirmará que a Europa trata a Ucrânia como um parceiro sério”, defende o cientista político e publicitário Jerzy Marek Nowakowski. Kiev precisa desesperadamente de apoio financeiro – a crise económica deixou os seus cofres vazios e não consegue pagar a conta do gás russo. Sem a intervenção do FMI, pode irromper nova guerra do gás entre a Ucrânia e a Rússia. A Gazprom, o monopólio russo do gás, deu à Ucrânia até 7 de Julho para pagar o que lhe deve.