A recessão espanhola abranda. Segundo os últimos números do Instituto Nacional de Estatística (INE), divulgados a 30 de julho, o crescimento entre abril e junho foi de -0.1% do PIB, contra -0,5% no trimestre precedente.

Segundo o jornal Expansión, trata-se da

primeira prova da tese defendida pelo Governo desde há várias semanas: a economia espanhola poderá ter passado o pior e o fim da recessão poderá estar mais próximo, visão otimista partilhada pela maioria dos especialistas consultados pelo jornal que, no entanto, se mostram prudentes.

Por outro lado, segundo as estatísticas publicadas no mesmo dia pelo ministro das Finanças, o défice público é de 3,81% do PIB (40 mil milhões de euros) no primeiro semestre de 2013, Uma diminuição de 8,2% em relação ao ano passado. Um ritmo que é preciso manter para continuar no limite de 6,5% fixado pela UE para 2013 [sem os défices das regiões e da segurança social, que representam 2,7% do PIB], precisa o diário económico.