“Os serviços secretos britânicos intercetaram dados provenientes da Alemanha”, afirma o Süddeutsche Zeitung, segundo o qual novos documentos tornados públicos pelo delator e antigo agente da Agência Nacional de Segurança americana Edward Snowden indicam que o Government Communications Headquarters (GCHQ) interceta comunicações transmitidas por cabos transcontinentais em fibra ótica que pertencem à Deutsche Telekom.

“Teoricamente”, realça o diário, os britânicos também têm acesso às comunicações online dos alemães. É, segundo o Süddeutsche Zeitung,

quase a totalidade do tráfego de Internet europeu [que] pode ser gravado e analisado pelo maior serviço secreto britânico.

Isto mostra que “o GCHQ está muito mais implicado no escândalo das escutas do que aquilo que imaginávamos até à data”, comenta o SZ.

Segundo o jornal, há pelo menos seis empresas que colaboram com o GCHQ, “provavelmente de forma involuntária”:

A British Telecom (BT), Level-3, Viatel, Interoute, Verizon e Vodafone. Todas elas operam também na Alemanha, uma vez que uma grande parte das comunicações via Internet na Alemanha passa pelas suas redes. Entre os clientes da BT, estão a BMW, a Commerzbank e os governos da Renânia-Palatinado e da Saxónia. Alguns desses operadores não se limitaram a programar softwares para permitir a espionagem [dos seus clientes]. Segundo os documentos de Snowden, a BT também desenvolveu um hardware para intercetar os dados.