“A UE está a desenvolver uma equipa de homens bem protegidos para ajudar a Líbia a travar a imigração indesejada e a recolher informações”, revela o sítio de informação EUobserver poucos dias depois de pelo menos 34 imigrantes se terem afogado quando navegavam da Líbia para a Europa.

Os serviços estrangeiros da UE realçaram que a operação de 30 milhões de euros, com duração de um ano, que começará em abril e intitulada Eubam Líbia, não envolve a realização de patrulhas nem investigações por parte dos funcionários da UE. Deverá ser constituída por 111 funcionários dentro de um ano, quando tudo estiver plenamente operacional.

No entanto, uma vasta equipa responsável pela segurança pessoal dos funcionários da UE no país atualmente instável deverá também utilizar a sede da Eubam, situada em Trípoli, para “recolher informações para a UE”, acrescenta o site. Fornecerá à UE “análises exaustivas sobre a situação do país em termos de segurança” e “relatórios de segurança diários, semanais, mensais e semestrais”, adianta o EUobserver, citando os documentos do concurso.

Por outro lado, o EUobserver também anuncia que a agência responsável pela segurança das fronteiras da UE, Frontex, está a pensar utilizar drones aéreos, que podem ser controlados à distância ou por um piloto, para controlar as fronteiras. O site acrescenta que

a agência já está a executar cinco operações em conjunto no Mar Mediterrâneo para intercetar imigrantes que tentam chegar à Europa e impedir que haja mais acidentes como o recente desastre em Lampedusa.