Um relatório, apresentado a 4 de novembro pelo eurodeputado Søren Bo Søndergaard (GUE-NGL), membro da Comissão de Controlo Orçamental, critica a Itália pela gestão que fez dos 493,7 milhões de euros de fundos europeus destinados à reconstrução de Áquila, após o terramoto que provocou mais de 300 vítimas em abril de 2009, noticia La Repubblica.

O relatório cita as denúncias da associação antimáfia Libera e afirma que “uma parte dos fundos foi paga a empresas que têm ligações diretas ou indiretas com o crime organizado” e que as despesas são sistematicamente inflacionadas, apesar da utilização de materiais e de técnicas de qualidade inferior aos padrões da UE. Søndergaard exige, igualmente, que a Itália seja obrigada a devolver os fundos já utilizados – cerca de 350 milhões de euros – porque terá violado a regra segundo a qual os projetos realizados com fundos europeus não podem gerar lucros, uma vez que as casas construídas em Áquila serão arrendadas.

O relatório aponta igualmente o dedo à Comissão Europeia, por não ter estado suficientemente atenta à utilização do dinheiro do contribuinte europeu e terá, pelo contrário, “acobertado” o abuso do Governo italiano da época. A Comissão rejeitou as conclusões do relatório, classificando-o como “confuso” e diz-se preocupada com as suas possíveis “consequências mediáticas”.