“Esqueça a sua extinção, o Erasmus duplicou”, titula Il Sole 24 Ore. O programa de intercâmbio de estudantes universitários europeus, que corria o risco de ser cancelado por falta de fundos em 2012, recebeu um novo impulso a 7 de novembro com o anúncio de um acordo entre a Comissão da Cultura do Parlamento Europeu e o Conselho Europeu para financiar um plano Erasmus+.

Segundo os termos do acordo, serão disponibilizados 14 mil milhões de euros para o programa entre 2014 e 2020, 40% mais do que o último orçamento para sete anos. Esta iniciativa deverá duplicar o número de estudantes envolvidos no programa, elevando o total para cinco milhões de alunos. O Erasmus+ também proporcionará estágios no estrangeiro para menores de 30 anos que não estejam matriculados na universidade e empréstimos para estudantes licenciados.

A notícia será, sem dúvida, muito bem recebida, nomeadamente no Sul da Europa, onde o programa que comemorou recentemente 25 anos de existência “é visto como a forma mais barata e acessível de ganhar experiência fora das fronteiras nacionais”, realça o diário económico.