A 18 de novembro, um homem armado com uma espingarda feriu gravemente um fotógrafo no átrio do jornal Libération, em Paris, antes de se dirigir ao bairro financeiro de la Défense, onde disparou contra a sede da Société Générale. Depois, tomou um automobilista como refém, obrigando-o a levá-lo aos Campos Elísios, onde a polícia lhe perdeu o rasto noticia o Libération.

Este homem, que a polícia acredita ter agido isoladamente, continuava a monte a 19 de novembro. Terá também ameaçado um dos editores da BFMTV, na sede da cadeia de informação, a 15 de novembro.

Num editorial intitulado “Continuaremos”, o diretor do Libération afirma:

Disparar dentro de um jornal é atentar contra a vida de homens e mulheres que fazem apenas o seu trabalho. E contra uma ideia, um conjunto de valores que, entre nós, se chama República. Não são as grandes palavras mas sim as evidências que, infelizmente, é preciso recordar em França, em 2013.