A comissária europeia para os Assuntos Internos, Cecilia Malmström, e o ministro turco responsável pelos Assuntos Estrangeiros, Ahmet Davutoğlu, assinaram no dia 16 de dezembro em Ancara um acordo sobre a supressão dos vistos para os cidadãos turcos até 2017. A sua assinatura era a condição exigida pela Turquia para assinar outro acordo, que visa a readmissão por parte de Ancara dos imigrantes ilegais que passaram pelo seu território para entrar na UE.

Para o Radikal, trata-se de “um acontecimento que poderá ajudar a fazer avançar o processo de adesão da Turquia à UE. Dentro de três ou quatro anos, os detentores de passaporte turco poderão, portanto, viajar sem vistos no espaço Schengen […] desde que o Chipre ou a Grécia não coloquem o seu veto” .

Segundo o diário de Istambul, no entanto,

a readmissão de imigrantes ilegais suscita muitas preocupações. De facto, apesar de o número de imigrantes clandestinos apreendidos na fronteira ter baixado, muitos aproveitam a supressão dos vistos pela Turquia para entrarem legalmente no país e tentarem passar para o oeste. O peso económico de infraestruturas ligadas à readmissão não é de negligenciar. […] Além disso, se o processo de readmissão não for considerado satisfatório pela UE, o acordo não será aprovado. E mesmo que seja considerado satisfatório, continuará a ter que se sujeitar a uma votação.