Hackers têm roubado e vendido quotas de CO2 de vários países europeus, noticia o Libération. “Sem portas forçadas, sem cofres-fortes arrombados com nitroglicerina... Simplesmente através do esvaziamento parcial dos sistemas informáticos nacionais de licenças para poluir” de grandes empresas austríacas, gregas, checas, polacas e estónias. O caso, em toda a sua extensão, foi descoberto a 19 de janeiro. Segundo a Comissão Europeia, os piratas informáticos roubaram licenças para cerca de três milhões de toneladas de CO2, num valor de 200 milhões de euros. “Este caso pode manchar ainda mais a credibilidade do jovem mercado europeu de carbono”, escreve o Libération. Um mercado “criado em exclusivo pela UE, em 2005, para limitar as emissões de carbono provenientes da indústria”. Desde 2007 que este mercado é, regularmente, alvo de assaltos de ladrões informáticos.