Neste 2 de novembro, mais de 18 milhões de romenos deverão deslocar-se até às urnas para eleger o sucessor de Traian Băsescu para a presidência da república, onde este exerceu dois mandatos.

A campanha ficou marcada por várias investigações de casos de corrupção política, cuja maioria envolvia o partido social-democrata do primeiro-ministro, e candidato à presidência, Victor Ponta.

A importância do escrutínio vai para além de saber quem será o próximo residente do palácio de Cotroceni, realça o diário România liberă, segundo o qual a votação determinará a futura orientação do país, porque Ponta, e o seu principal adversário, o liberal Klaus Iohannis, têm visões muito diferentes: enquanto Ponta “tem os olhos postos na China, Iohannis está bem mais inclinado para os Estados Unidos”.

As últimas sondagens atribuem 40% das intenções de voto a Ponta e 29% a Iohannis. Nenhum dos outros candidatos ultrapassa os 10%. Caso nenhum dos candidatos obtenha a maior absoluta dos votos dos eleitores recenseados, a segunda volta deverá ocorrer a 16 de novembro.