Uma manifestação da direita radical levou à ocupação da Comissão Eleitoral Nacional (PKW) na Varsóvia, na quinta-feira à noite, interrompendo o processo de contagem de votos das eleições autárquicas escreve o Gazeta Wyborcza.

Além de apontarem para uma fraude eleitoral, os manifestantes pedem não só aos membros da PKW para renunciarem aos seus cargos, mas também a realização de novas eleições e a reforma da lei eleitoral, como resultado das informações caóticas que vieram na sequência da falha do sistema informático que atrasou a divulgação dos resultados da votação do dia 16 de novembro.

Segundo o colunista do diário, Jarosław Kurski, a ocupação do gabinete da PKW foi “o maior ato de terror contra a democracia nos últimos 25 anos”. Kurski culpa os líderes dos partidos da oposição, Direito e Justiça (PiS) e a Aliança da Esquerda Democrática (SLD), pelos “atos de vandalismo e pela anarquia cega” ao insinuarem que as eleições foram manipuladas e pedirem uma nova votação por motivos políticos. Os manifestantes foram removidos do edifício pela polícia durante a noite.

O Rzeczpospolita alerta para o facto de a PKW não estar pronta para as eleições parlamentares e presidenciais previstas para 2015, citando um relatório emitido pelo Gabinete Supremo de Auditoria que afirma que a PKW ainda não anunciou nenhum concurso para o sistema informático que irá suportar as votações do próximo ano.