Cover

Numa altura em que os novos governantes gregos se encontram em digressão pelas capitais europeias para obter apoio para o seu programa antiausteridade e suavizar a pressão exercida sobre o seu país, o Governo alemão emitiu uma carta onde indica que “o Eurogrupo precisa de um compromisso claro e frontal por parte da Grécia para assegurar a plena aplicação das reformas necessárias para manter o programa”. O documento, divulgado pela Reuters a 4 de fevereiro, foi publicado na véspera da reunião dos ministros das Finanças da zona euro em Bruxelas e no mesmo dia em que o Banco Central Europeu decidiu que não aceitará obrigações gregas como garantia para empréstimos, dando ao Governo grego uma semana para chegar a acordo com os seus credores internacionais. Caso contrário, este enfrentará graves problemas de liquidez.

Para o I Kathimerini a carta de Berlim é um “golpe para o compromisso eleitoral do Governo” e será “categoricamente rejeitada pelo primeiro-ministro” Alexis Tsipras:

Atenas é agora chamada a seguir o caminho para um ambiente adverso, uma vez que a proposta apresentada a favor de um “acordo ponte” parece não ter sido aceite pelos parceiros. […] O conflito entre Atenas e Berlim irá, provavelmente, refletir-se na cimeira do dia 12 de fevereiro.