"Foi bom para a imagem do país", comenta o Capital depois da repressão levada a cabo no início de fevereiro pela Agência Nacional Anticorrupção na alfândega romena de Vama Siret, na fronteira com a Moldávia. Foram presos nada menos que 77 agentes suspeitos de aceitarem subornos e de contrabando de cigarros. O jornal refere ainda que a responsável pelo posto de fronteira em Halmeu (com a Hungria), está indiciada por corrupção. "As autoridades romenas consideram que chegou a hora de se empenharem seriamente para conseguirem uma boa nota por parte da UE", escreve o jornal, segundo o qual esta é “a maior ação deste tipo alguma vez realizada na Roménia". O Capital recorda que a adesão da Roménia ao espaço Schengen foi adiada recentemente, devido a resultados insuficientes na luta contra a corrupção, e censura as autoridades romenas pela sua "falta de vontade". A Bulgária, "adiada" pelas mesmas razões, também parece estar a desenvolver esforços para satisfazer as exigências de Bruxelas. No final de janeiro, foram intimados 14 guardas da fronteira na ponte sobre o Danúbio. São suspeitos de extorquir dinheiro a turistas, a maioria em trânsito, muitas vezes de fora da UE.