Desde a sua entrada para a UE, em 2004, Malta não cessou de ver crescer o fluxo de emigrantes que chegam ao seu território. Com a Itália, a ilha recebeu em 2008 perto de metade das 670.000 pessoas que atravessaram o Mediterrâneo para pedir asilo na Europa, de acordo com o Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR). Reclamando há muito ajuda da União Europeia para fazer face a esta situação, parece ter sido escutada

Como a Itália, a Grécia e o Chipre, outros países situados nas fronteiras do sul da Europa, vai beneficiar do programa "Distribuição interna de refugiados" que a Comissão Europeia se prepara para lançar. "Quando os Estados Unidos se comprometeram a abrir a porta a várias centenas de refugiados provenientes de Malta, o comissário europeu responsável pelas Questões Migratórias, Jacques Barrot, espera que os Estados-membros se encarreguem do assunto até ao Outono", lê-se em Le Monde. Os Países Baixos, a Irlanda, a Lituânia, a Alemanha e Portugal já acolheram cada um entre uma e três dezenas de pessoas. A França vai receber em breve uma centena de refugiados. O programa, que é feito com base no voluntariado, prevê que a Comissão assuma as despesas de integração dos refugiados durante um ano.