Magnânime quando se trata de socorrer a economia dos seus próprios países, o G8 mostra-se um pouco sumítico quando se trata de auxiliar o continente africano. Após a recente cimeira em Aquila, o Corriere della Sera compara o montante de dinheiro que foi prometido a África, com os fundos destinados a enfrentar a crise financeira no ocidente, e o resultado é assustador: "Cinco euros e 18 cêntimos porano. 43 cêntimos por mês." É este o valor atribuído a cada africano pelos líderes do G8, escreve o diário milanês. "Apenas 0,13% do que foi atribuído nestes últimos meses para travar a crise económica nos países ricos."

Uma importância tão insignificante quanto irrelevante, refere o diário italiano. "Não nos cansamos de dizer que seria preferível dar aos africanos uma cana e ensiná-los a pescar, do que dar-lhes peixe. Verdade seja dita que, com este dinheiro, um africano consegue comprar um anzol e dois metros de fio uma vez por ano. Mas já não sobra nada para as canas ou minhocas".