Entre as numerosas questões (Co2, inovações tecnológicas, energia verde) incluídas no programa da Conferência Internacional sobre as Alterações Climáticas (COP15), que se realizará em Copenhaga no próximo mês de Dezembro, a grande ausente é a questão da água. Isto apesar de, conforme sublinha Riccardo Petrella, presidente do Instituto Europeu sobre a Política da Água (IERPE), no Libération, a água ser um dos recursos mais ameaçados pelas alterações climáticas. Segundo as conclusões do Painel Intergovernamental sobre as Alterações Climáticas (IPCC ), em 2050, 60% da população mundial deverá viver em regiões onde a escassez de água será grave. Tornado insuficiente, o "ouro azul" poderá vir a ser uma das principais causas de guerra do século XXI. Problema número um para os países ricos, *"a energia pós-petróleo ‘sufocou’ as negociações sobre as alterações climáticas**"*, escreve Riccardo Petrella.