José Manuel Durão Barroso ganhou um novo rival de monta na sua recandidatura para presidente da Comissão Europeia: o antigo ministro dos Negócios Estrangeiros alemão, Joschka Fischer. O jornal Dziennik comentaque, embora Fischer não tenha ainda confirmado estar interessado em concorrer ao lugar, a sua candidatura seria apoiada pelos Verdes, cujo líder no Parlamento Europeu, Daniel Cohn-Bendit, disse ontem que “um mandato europeu para Joschka não seria nada mau”. Por razões ideológicas, seria igualmente mais fácil de engolir pelos socialistas e agrupamentos de esquerda menores, sugere o diário de Varsóvia.

Mesmo que o actual ocupante do cargo ganhe a disputa a Fischer, a sua posição num segundo mandato seria significativamente mais fraca do que a anterior. “Barroso não desperta nenhum entusiasmo, porque é uma figura frouxa, desinspirada, incapaz de tomar decisões difíceis”, declarou Daniel Gross, do Centro de Estudos Políticos Europeusem Bruxelas, ao Dziennik. Eleito por uma escassa maioria, Barroso ficaria ainda mais dependente dos “grandes jogadores” europeus – os líderes da Alemanha, França e Reino Unido – que, segundo o jornal, sempre detiveram o poder real na UE nos cinco anos do anterior mandato, para todos os efeitos.