Para The Wall Street Journal, o anúncio das negociações sobre comércio é o resultado de meses de conversações de bastidores de diplomatas britânicos, tanto para garantir o apoio ao acordo de comércio como para assegurar uma vitória diplomática para o primeiro-ministro do Reino Unido, David Cameron, anfitrião da cimeira de líderes do G8, na Irlanda do Norte. O diário económico escreve:

Cover

Para Cameron, a Parceria Transatlântica de Comércio e Investimento (TTIP) é muito mais do que um acordo comercial. É fundamental para a sua campanha de reconciliação do Reino Unido com a adesão do país à UE antes do seu prometido referendo em 2017. [...] Cameron aposta em que um TTIP bem-sucedido irá reduzir substancialmente a pressão que está a sofrer para que faça, antes de 2017, uma renegociação global dos termos da adesão britânica. O TTIP oferece a Cameron uma maneira politicamente agradável de colocar o Reino Unido diretamente no coração da Europa, o seu apoio entusiástico a um projeto tão ambicioso, ajudando a desfazer um pouco a desconfiança causada pela sua anterior má gestão das relações essenciais com a Europa.

Para Die Welt, o acordo sobre a zona de comércio livre entre a UE e os Estados Unidos “beneficia sobretudo os norte-americanos”. Segundo um estudo do instituto de sondagens Ifo, realizado a pedido da Fundação Bertelsmann, que analisa as consequências de uma tal zona para 126 Estados, a sua entrada em vigor permitiria

Cover

criar 1,1 milhões de empregos suplementares nos Estados Unidos e o PIB real por pessoa aumentaria 13,4%. Pelo contrário, poderia ser consideravelmente prejudicial para os países que não são membros da zona [porque] os Estados das zona de comércio livre importariam muito menos produtos vindos de outros países. E isso influenciaria o rendimento por habitante dos parceiros comerciais tradicionais dos Estados Unidos, como o Canadá (menos 9,5%) e o México (menos 7,2%).

O Frankfurter Allgemeine Zeitung sublinha que um dos resultados do acordo, no futuro, seria a diminuição do comércio dentro da UE:

Cover

O volume do comércio entre a Alemanha e os países do Sul da Europa poderá atingir uma diminuição de 30% […] e de 23% entre a Alemanha e a França […], ao mesmo tempo que aumentaria em dois dígitos com os Estados Unidos. [Em resumo], a união aduaneira [criada pela UE em 1968] ficaria desvalorizada.

Por seu lado, o Tageszeitung partilha as preocupações expressas por uma associação de 22 ONG, que afirma que as garantias dos consumidores europeus ficarão prejudicadas quando os mercados europeus se abrirem aos Estados Unidos.

Cover

Frangos desinfetados com lixívia, gado clonado e alimentos transgénicos – tudo isso são ameaças para os consumidores europeus.