Crise na zona euro

O salvador chinês também está endividado

Publicado em 31 Outubro 2011 às 11:46

Cover

E se a China não tiver meios para ajudar a Europa? No dia em que o presidente chinês Hu Jintao visita a Áustria, Die Presse adverte contra “a falsa esperança de um salvador chinês”. A força financeira que a China reivindica no estrangeiro não consegue esconder os problemas que o Governo de Pequim enfrenta no interior do seu próprio país, explica o diário de Viena. Porque a China corre o risco de ver a sua própria dívida explodir.

Em 2008, o país iniciou “um enorme pacote de relançamento pesando o equivalente a 440 mil milhões de euros, com o objetivo de proteger o império da crise financeira desencadeada nos Estados Unidos”. O problema: apenas 133 mil milhões vieram do orçamento de Estado, o resto foi emprestado por bancos e empresas do Estado e particulares. “Hoje em dia, metrópoles como Xangai e Pequim, mas também outras cidades, estão muito endividadas junto dos bancos do Estado.”

Do lado chinês, o diário oficial China Daily afirma que “a China não pode ser nem o salvador da Europa nem o remédio para todos os males, mas fará o que puder estendendo uma mão amiga. Mas a amizade não funciona só num sentido. A China já investiu enormes montantes em obrigações europeias e quer algumas garantias de que o seu investimento é seguro”.

Newsletter em português

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!