'Hackers' no café Sankt Oberholz, local de encontro dos ciberboémios de Berlim.

A “ciberboémia” de Berlim não quer trabalhar

"Pobre mas sexy", a capital alemã é um centro criativo e vanguardista e vive dos subsídios pagos pelos outros 'Länder'. Para a população de Berlim, ser assalariado é uma angústia e o subsídio universal uma esperança. Retrato mordaz traçado pelo bloguista Don Alphonso.

Publicado em 14 Agosto 2012 às 10:43
'Hackers' no café Sankt Oberholz, local de encontro dos ciberboémios de Berlim.

O meu amigo H. sente-se angustiado, porque chegou a uma idade crítica e está a aproximar-se o momento em que a economia real o incluirá na categoria dos "trabalhadores idosos". No entanto, em Berlim, com alguma habilidade, é possível chegar a meio da casa dos quarenta sem nunca ter exercido uma atividade regular. H. não faz parte da massa de eternos adolescentes que montam projetos gratuitamente: trabalhou nos meios de comunicação. Quando o conheci, em Berlim, há cerca de oito anos, H. vivia sem pensar no futuro e gastava sem fazer contas.

[…] **Este artigo foi retirado a pedido do proprietário dos direitos de autor.**

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico