Notícias Aquecimento global

Adeus praias

A Europa vai perder cerca de 15 000 km de costa devido à erosão. O Reino Unido, a França, a Ucrânia, a Irlanda, a Grécia, a Espanha e a Itália vão ser os países mais afetados.

Publicado em 6 Março 2020 às 22:25

Estilos de vida à beira-mar, férias em resorts tropicais e planos de mudança para a beira-mar: tudo pode acabar relegado à história. De acordo com um novo estudo do Centro Comum de Investigação da Comissão Europeia, ao qual tivemos acesso prévio, cerca de metade das praias arenosas de todo o mundo ficarão à beira da extinção até 2100 devido às cheias costeiras influenciadas pelo clima e à interferência humana.
Além de ameaçar a vida selvagem e as comunidades isoladas, a erosão da areia pode infligir um preço elevado em áreas ricas em infraestruturas, urbanização e turismo de massa. Com a retirada das praias, tais lugares deixarão de ser protegidos da devastação do oceano. Os governos começaram a investir em contramedidas que podem tornar-se cada vez mais caras, se não insustentáveis.
Daqui a apenas 30 anos, a erosão terá destruído 36 097 km (13,6%) de áreas arenosas. Um valor que irá aumentar durante a segunda metade do século, destruindo 95 061 km (25,7%) da costa a nível mundial.

Mapa da erosão das praias (em metros) em toda a Europa no melhor cenário climático:

Estas estimativas estão longe de ser as mais catastróficas. Na verdade, estas dependem de uma previsão otimista de economias globais ecologicamente corretas e de uma contenção do aquecimento global. Neste cenário de derretimento reduzido da calota de gelo e menor expansão térmica da água, os oceanos só subirão 50 cm durante o século.
A subida será de 80 cm se continuarmos a libertar emissões de carbono às taxas atuais, adverte o Painel Internacional sobre Alterações Climáticas. Se isso acontecer, um total de 131 745 km de praias, ou 13% do litoral sem gelo do planeta (1/3 do qual é arenoso), ficará submerso.
Em todo o mundo, o recuo médio da linha costeira será de 86,4 m (cenário de baixo carbono) ou 128,1 m (cenário de alto carbono). A erosão real será menor ou maior em cada local. As linhas costeiras mais planas ou selvagens serão mais afetadas do que aquelas onde as frentes de água são mais íngremes ou artificialmente mantidas como parte do desenvolvimento costeiro.

No pior dos casos, Portugal perderá 395,5 km (43,6%) de costa arenosa, colocando-o em 12.º lugar na tabela europeia liderada pelo Reino Unido.
A nível internacional, a tabela é liderada pela Austrália (14 849 km), Canadá (14 425 km), Chile (6659 km), México (5488 km), China (5440 km), EUA (5530 km), Rússia (4762 km) e Argentina (3739 km).

No total, os europeus poderão ter de dizer adeus a 15 780 km (42%) da sua costa arenosa (o que representa 22% do total da linha costeira).

A erosão das praias nos países europeus no seu pior cenário climático:

“A extensão das praias ameaçadas incorpora locais que serão submersos por mais de 100 m, assumindo que não há limites físicos para uma possível retirada”, disse Michalis Vousdoukas, oceanógrafo do Centro Comum de Investigação e autor principal do estudo. “O limiar escolhido de 100 m é conservador, já que a maioria das praias tem larguras inferiores a 50 m, especialmente perto de habitats humanos e em pequenas ilhas, como o Caribe e o Mediterrâneo.”
As praias de maior dimensão vão ver uma redução de 100 a 200 m na costa do Atlântico e do Pacífico e no lado australiano do oceano Índico, eliminando mais de 60% da areia em vários países em desenvolvimento que são economicamente frágeis e altamente dependentes do turismo costeiro.
“As tendências erosivas aumentam proporcionalmente aos gases de efeito estufa”, disse Vousdoukas. “A mitigação moderada das emissões poderia evitar 17% de recuo da linha costeira até 2050 e 40% até 2100, preservando assim em média 42 m de areia entre a terra e o mar.”
A subida do nível do mar está a exacerbar o problema da construção de linhas costeiras e barreiras de captação (tais como edifícios, estradas, barragens) que esgotaram o fornecimento natural de material de reposição para praias arenosas.
Em algumas regiões, a erosão marinha é compensada pela subida da terra (por exemplo, o mar Báltico). Os sedimentos também podem ser trazidos pelos rios, seja naturalmente como na Amazónia, ou resultantes de atividades artificiais, como nos Deltas Chineses que acumulam resíduos de sítios industriais a montante.
Desta forma, os fatores antropogénicos e geológicos, que amplifiquem ou contrariem a subida do nível do mar, contribuem para a variação líquida da largura da costa marítima. Apesar do padrão geral, algumas linhas costeiras estão a expandir-se.
Um terceiro, mais pequeno, condutor da erosão é a intensificação das tempestades. Associadas às alterações climáticas, estas parecem corroer ainda mais as praias mais vulneráveis.
O estudo prevê que as praias britânicas que enfrentam a maior erosão são precisamente as das costas leste e oeste, mais expostas a surtos de maré do que a sua contraparte a sul.
No final do século, até 63% das regiões costeiras baixas da Terra, que abrigam uma praia em cada três, estarão ameaçadas. Nestas áreas, tanto a densidade populacional como o desenvolvimento tendem a ser mais elevados do que no interior.
“A expansão humana no mar vai continuar, principalmente em costas intactas que são particularmente extensas na Ásia e na África”, disse Vousdoukas. “Portanto, são urgentemente necessárias medidas adaptativas.”

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico