Nos últimos dias, soprou uma brisa de alívio pela Europa. Ainda não é um novo vento, mas o símbolo é grande: reunido a 24 de novembro em Estrasburgo, numa enésima cimeira para discutir as soluções possíveis para a crise da dívida, “Merkozy” já não está só. Mario Monti, o primeiro-ministro italiano, também lá esteve, e mostrou que não tenciona ser o pau-de-cabeleira do casal franco-alemão.

Um casal saído de um casamento de conveniência cuja saúde (económica) se degrada — a França já perdeu, virtualmente e segundo vários observadores, a sua preciosa classificação triplo A. E a dívida alemã já foi mais atraente, tal como ficou demonstrado pelo semifiasco da emissão de títulos de 23 de novembro.

Um casal cujas divergências sobre os meios a pôr em prática para conter os assaltos especulativos à dívida soberana — emissão de obrigações europeias e de empréstimos aos Estados contra a inscrição, nos tratados, do rigor e da harmonização fiscal — tem a zona euro em suspenso, enquanto que cada dia que passa neste limbo a aproxima mais do colapso.

Enquanto a imprensa italiana saúda o “regresso à Europa” do país, após anos de desinteresse e gafes berlusconianas, a entrada em cena da terceira economia da zona euro, incarnada pelo muito respeitado antigo comissário europeu, faz pairar a esperança de um fim do impasse em que se encontra a Eurolândia. Se parece difícil que Monti possa ou queira desempenhar um papel de árbitro entre Paris e Berlim, está no entanto bem colocado para desempenhar o de mediador. Um mediador que — como não deixou de o lembrar, em Estrasburgo, aos seus dois parceiros, arautos do método intergovernamental — considera que a solução da crise política e económica da UE passa pelo respeito e pelo reforço do método e das instituições comunitárias. Com isto, tem assegurado o apoio do presidente da Comissão, Durão Barroso, que recentemente defendeu isso mesmo.

Newsletter em português

Tudo isto deverá tranquilizar os que temiam ver um novo diretório substituir “Merkozy”, um trio para o qual os jornalistas europeus se dedicaram a encontrar um novo nome: “Sarmonkel”, “Merkozonti”, “Merkonti”, “AnNiMa” ou “MMS” estão entre os mais votados, é só escolher. Apesar de tudo, o tempo urge e as expectativas aumentam.

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico