Governo impõe cultura nacional

Publicado em 20 Dezembro 2012 às 12:18

Cover

"Não se calar, não pactuar": o diretor do Teatro Nacional húngaro explica na primeira página do Magyar Narancs que vai continuar a tomar posição no “Kulturkampf” que atualmente agita a Hungria. Róbert Alföldi, com um mandato válido até 2013, vai ser substituído por Attila Vidnyánszky, um próximo do Governo de Viktor Orbán, que o criticou por não representar suficientemente os valores nacionais.

Para além disso, há meses que a extrema-direita vinha criticando a sua falta de patriotismo e denunciando a sua homossexualidade. “Mas então, o que não era ‘nacional’ no teatro de Alföldi?”, insurge-se o semanário liberal. “E quem são vocês para prescrever os valores nacionais? Quem são vocês para duvidar dos sentimentos nacionais de uma pessoa?

"Na Hungria, o conceito de pluralismo diverge do que existe na Europa ocidental”, constata o diário de esquerda Népszava:

Já se sabia que Attila Vidnyánszky iria ser o diretor do Teatro Nacional. [...] Em condições normais, Róbert Alföldi teria provavelmente tido a possibilidade de prosseguir o seu trabalho. [...] Mas os dirigentes encarregaram-se de colocar os seus próximos a instâncias de nove membros que decidem os postos de diretor. Eis o problema.

Mas, para o diário de direita Magyar Nemzet, a mudança de direção imposta pelo Governo foi uma boa decisão:

A nomeação de Vidnyánszky vai ajudar a explicar o significado do termo ‘nacional’ aos que, até hoje, não dão mostras de o terem realmente percebido…

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico