Uma boa cura da Suíça para a Europa

Um pouco de democracia direta, à maneira helvética, não faria mal à União Europeia. O exemplo suíço mostra, designadamente, que, quando são os próprios cidadãos a tomar as rédeas da política, o Estado e a dívida se tornam menos pesados.

Publicado em 1 Maio 2013 às 11:52

Nos confins da esquerda, ouve-se um apelo a “mais Suíça”: é algo novo e original. Na origem deste novo entusiasmo de Berlim e Bruxelas pela Confederação Helvética, encontra-se o referendo suíço sobre a “iniciativa Minder” – uma iniciativa popular contra as remunerações abusivas, cujo instigador se chama Thomas Minder, patrão de uma empresa familiar suíça e senador.
Não vamos analisar a fundo aqui esta última iniciativa popular: na medida em que permite aos acionistas decidir diretamente qual a remuneração dos seus dirigentes, trata-se de uma medida retificativa pertinente para restabelecer a ligação entre propriedade e controlo [no seio da empresa].

[…]

Este artigo foi retirado a pedido do proprietário dos direitos de autor.

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico