O último relatório PISA, publicado no dia 3 de dezembro, indica uma diminuição do desempenho dos alunos europeus e uma progressão dos seus homólogos do Extremo Oriente.

O estudo, que testa os conhecimentos dos alunos de 15 e 16 anos na leitura, matemática e ciências, é particularmente duro com os países nórdicos e a França. A Finlândia deixa de estar na primeira posição, cedendo o seu lugar à Coreia do Sul e descendo para a sexta posição. Já não é “o país das maravilhas da educação”, deplora o Helsingin Sanomat. Para o diário finlandês, apesar de o resultado

não ter sido nenhuma surpresa, ainda ninguém foi capaz de fornecer uma explicação plausível para o que aconteceu. […] Os finlandeses estão habituados a acreditar na excelência da formação dos professores na Finlândia e, sobretudo, na força do sistema de ensino básico de nove anos.

Na Dinamarca, o Jyllands-Posten também manifesta o seu desagrado: “Não é suficiente”, considera o diário:

Temos o ensino público mais caro do mundo, mas não existem provas de que a nossa população é a mais estúpida do mundo. Por consequência, não há qualquer motivo para duvidar de que o ensino mais caro não fornece a melhor formação e, por conseguinte, a população com a melhor educação.

O jornal Berlingske estima, por sua vez, que “está na hora de nós, os Estados-Providência ocidentais, revermos em profundidade o nosso sistema educativo”.

O estudo PISA abalou a França, que desce dois lugares e ocupa apenas a 25.ª posição em 65 países. Le Figaro realça que o ensino francês é “injusto e ineficaz”:

O fosso entre os bons e os maus alunos é cada vez maior […]. Continuamos a formar futuros Prémios Nobel da física e da medicina, mas produzimos ainda mais idiotas.

O diário conservador dá o exemplo da Alemanha, que em 2001 foi identificada como preocupante pelo PISA, mas soube “reagir imediatamente” registando desde então progressos evidentes.

O sistema educativo alemão tornou-se “mais justo e os alunos conseguem melhores resultados”, regozija-se Der Spiegel:

O choque psicológico costuma ser acompanhado de um momento de paralisia, seguido por um sentimento de desorientação. […] Depois chega a assimilação e, em seguida, a recuperação – o sistema educativo alemão está nesta última fase. […] Está mais do que na hora de substituir a expressão “choque do PISA” por “progresso do PISA”.

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico