Orçamento de 2014 complica a situação

Publicado em 9 Dezembro 2013 às 15:51

Cover

“O orçamento foi votado mas a troika diz que acordo tem de esperar”, escreve o Kathimerini na sua edição em inglês. A 7 de dezembro, o Parlamento grego aprovou o orçamento para 2014 por 153 votos a favor e 142 contra. O texto “prevê um excedente primário de 1,6% do produto interno bruto, um crescimento de 0,6% e uma diminuição da dívida, um pouco abaixo dos 175% do PIB”, explica o diário, que acrescenta que este orçamento “foi apresentado ao Parlamento sem o aval da troika”.

Durante o debate no Parlamento, os representantes dos credores internacionais da Grécia (UE, BCE, FMI) anunciaram que não se deslocariam ao país antes de janeiro porque Atenas não cumpre as suas obrigações, acrescenta o Kathimerini. A Grécia “devia ter cumprido 135 compromissos” este outono. “Cumprimos apenas 60 e o avanço abranda de dia para dia, em pleno impasse político” em Atenas.

“A aparente decisão do Governo grego de legislar unilateralmente ou de tomar decisões sobre as questões em discussão [com a troika], como os impostos sobre o imobiliário, a redução do IVA na restauração ou a transferência em massa [de funcionários públicos] é vista como uma provocação”, afirma um funcionário europeu citado pelo jornal.

“Para a UE, a Grécia continua a representar um buraco no orçamento” constata, por seu lado, o Frankfurter Allegemeine Zeitung. O diário alemão está muito cético em relação a este novo orçamento europeu:

O Governo de coligação grego ganhou esta prova à justa. Mas não há nenhuma razão para nos juntarmos ao primeiro-ministro Antonis Samaras quando ele fala “de um dia histórico” para a Grécia. É certo que Atenas apresenta, pela primeira vez desde há vários anos, um excedente primário, ou seja, um excedente de orçamento que não tem em conta (o enorme) peso da dívida do Estado […]. Mas esse excedente é o resultado de um expediente matemático, como o adiamento do pagamento de faturas a fornecedores no montante de vários milhares de euros. As importantes reformas estruturais são postas de lado.

É uma organização jornalística, uma empresa, uma associação ou uma fundação? Consulte os nossos serviços editoriais e de tradução por medida.

Apoie o jornalismo europeu independente.

A democracia europeia precisa de meios de comunicação social independentes. O Voxeurop precisa de si. Junte-se à nossa comunidade!

Sobre o mesmo tópico